Warning: "continue" targeting switch is equivalent to "break". Did you mean to use "continue 2"? in /var/www/html/nasadvoc.blog-dominiotemporario.com.br/web/wp-content/plugins/jetpack/_inc/lib/class.media-summary.php on line 77

Warning: "continue" targeting switch is equivalent to "break". Did you mean to use "continue 2"? in /var/www/html/nasadvoc.blog-dominiotemporario.com.br/web/wp-content/plugins/jetpack/_inc/lib/class.media-summary.php on line 87
Eu vou - Nycolle Soares

Eu vou

Há muitos anos, muito mais do que se possa imaginar e que poderia parecer, essa mesma escritora – que se autodenomina assim por pura coragem e amor – não foi.

Não foi corajosa o suficiente pra se fazer escritora sempre e ficou assim, sendo escritora só quando alguém lhe dizia que ela poderia ser. Não foi paciente pra entender que nada se constrói de um dia pro outro e ser algo leva tempo, muitos tombos e vários recomeços. Não foi firme pra se manter fazendo algo que gostaria ainda que esse algo não fosse o que esperavam.

Só que hoje ela é. Prometeu a si mesma que as letras seriam sua vida, as palavras sua vocação, as frases seus caminhos, os parágrafos suas horas, os textos seus feitos e as páginas os seus dias.

Escolheu um lugar, ainda que virtual, ainda que impalpável, ainda que quase imaginário e fincou sua bandeira. Seu lugar, vai ser aqui.

Assim como as palavras que povoam sua mente e insistem em fazer rimas raras, rimas pobres, ironias graves, metáforas astutas, afirmações curtas e perguntas longas.

A dor de quem pensa em linhas é não poder só escrever. O remédio é escrever sempre que dá, ate que um dia se possa escrever sempre.

Hoje ela vai, eu vou, nós duas iremos. De mãos dadas e dedos firmes nas teclas, escrevendo em um sopro só o que pensávamos ser um recomeço, mas não o é. É só uma continuação.

Teremos um canto só nosso, com as nossas regras, nossas manias e leis particulares. Só que todos podem entrar, nos lendo e estando em nossas linhas através das nossas vidas.

Comecei várias vezes, parei outras tantas, estive longe, estive perto (de mim), o que nunca mudou é que estive sempre escrevendo, de um jeito ou de outro.

Hoje posso dizer que o que guardamos de mais genuíno nunca vai deixar de queimar dentro de nós como uma lágrima feita de lava de vulcão, pedindo pra que você desesperadamente deixe que o que existe dentro possa te guiar do lado de fora. Peço pra que você não esfrie o que te move, com medos e julgamentos, com as pedras e palavras atiradas, com os percalços da vida e acima de tudo com o seu próprio temor em ser o que você sempre quis ser.

Hoje eu vou, e pretendo não mais parar ou voltar. Hoje, eu voo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: